• redacao@gazetadoestado.com.br

Nacional

Carnaval sem desfile: saiba como ajudar escolas de samba na pandemia

Publicado

em


source
Veja como ajudar escolas de samba no ano sem Carnaval
Tânia Rego/Agência Brasil/Fotos Públicas

Veja como ajudar escolas de samba no ano sem Carnaval

Com a pandemia de Covid-19 , as festividades de Carnaval e os desfiles foram suspensos em todo o Brasil. Diante disse, muitas escolas de samba precisam de ajuda financeira para continuarem realizando seus programas sociais. Algumas delas oferecem cursos, enquanto outras entregam cestas básicas para a comunidade.

Abaixo, confira como ajudar algumas escolas de samba em todo o Brasil. As informações foram coletadas pelo Ecoa, do Uol. Além das listadas, muitas outras escolas de samba costumam ter projetos de apoio à comunidade. Por isso, procure a organização mais próxima de você e descubra como ajudar. Lembre-se sempre de pedir transparência na hora de doar.

Como ajudar escolas de samba no Sudeste:

Barracão Solidário (RJ): A campanha foi criada pelo carnavalesco Wagner Gonçalves, da Estácio de Sá, a fim de doar cestas básicas para profissionais de escolas de samba do Rio de Janeiro. Para ajudar, é só acessar as  páginas de doações do Barracão Solidário ou entrar em contato pelo e-mail barracaosolidariorj@gmail.com.

Beija-Flor de Nilópolis (RJ): A escola de samba atende mais de 2.500 crianças, jovens e adulto através de ações sociais. Para ajudar, acesse a página de doações da instituição “Coração do Beija-flor”.

READ  Virmondes Cruvinel propõe política de apoio emocional a menores nas escolas

Água Solidária da Portela (RJ): A Portela está doando cestas básicas e kits de higiene contra a Covid-19 para famílias de Oswaldo Cruz e Madureira, no Rio de Janeiro, com a campanha “Água Solidária”. Para ajudar, é possível realizar transferência bancária para os seguintes dados: Grêmio Recreativo Escola de Samba Portela/Bradesco/Agência 3469/Conta Corrente 026838-0/CNPJ: 42.255.075/0001-63.

Camiseta da Mangueira (RJ): Para ajudar quem ficou sem trabalho neste Carnaval, a Mangueira fez uma parceria com a marca Reserva. O lucro de camisetas, blusas e tênis será revertido para os profissionais da escola de samba. Para ajudar, acesse a página da Reserva ou doe diretamente para a Mangueira: Estação Primeira de Mangueira / CNPJ 30.029.219/0001-84 / Bradesco / Ag.: 2819 / CC: 45000-6.

Você viu?

Kit Social Vai-Vai (SP): A escola de samba Vai-Vai está vendendo kits com três máscaras e uma camiseta para comprar cestas básicas. O kit é vendido a R$ 70 na página da Grife do Samba .

Unidos de Vila Maria (SP): a escola mantém programas sociais que vão desde cursos profissionalizantes até testes de Covid-19. Para ajudar, entre em contato pelo e-mail secretaria@unidosdevilamaria.com.br ou pelo telefone (11) 2939-2067.

READ  Cidade do Rio de Janeiro proíbe eventos de blocos e escolas de samba no carnaval

Imperador do Ipiranga (SP): A escola de samba doou 50 mil marmitas para famílias carentes da região, além de álcool em gel e máscaras. Para apoiar o trabalho, entre em contato com Rodrigo Souto pelo número (11) 95334-7040 ou escreva para sesimperadordoipiranga@gmail.com.

Como ajudar escolas de samba no Nordeste:

Galo da Madrugada (PE): O tradicional Galo da Madrugada lançou uma campanha para arrecadar dinheiro para artistas e cooperativas de catadores de latinha. As doações podem ser feitas via Pix (CNPJ: 11451275000168) ou por transferência bancária: Ag: 3190 / CC: 1780-9 / CLUBE DAS MÁSCARAS O GALO DA MADRUGADA. CNPJ: 11.451.275/0001-68 / Bradesco.

Como ajudar escolas de samba no Norte:

Caprichoso (AM): A Boi Caprichoso está com uma campanha para aliviar os problemas financeiros da instituição. Para ajudar, acesse a vaquinha online com valor mínimo de R$ 25.

Garantido (AM): A Garantido também recebe doações para comprar cestas básicas. Para ajudar, entre em contato com o número (92) 99250-4545.

Comentários do Facebook
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CIDADES

PLANTÃO POLICIAL

POLÍTICA

ECONOMIA

MAIS LIDAS DA SEMANA