• redacao@gazetadoestado.com.br

Tocantins

Com assistência técnica do Governo do Tocantins, produtor investe no cultivo de pitaya de olho no mercado consumidor

Publicados

em


Com assistência técnica do Governo do Tocantins, produtor investe no cultivo de pitaya de olho no mercado consumidor

23/02/2021 – Edvânia Peregrini/Governo do Tocantins

Com mercado em expansão, a pitaya, também conhecida como fruta-dragão, vem ganhando espaço no Tocantins. O produtor João Gomes Gontijo, morador do Rancho das Pitayas, próximo a Buritirana, distrito de Palmas, investe no cultivo da fruta que chama atenção pela aparência exótica, sabor levemente adocicado e de alto valor nutritivo.

João Gontijo conta que iniciou o cultivo de pitaya em setembro de 2019 apenas como atividade terapêutica após passar por tratamento de saúde e vencer um câncer de garganta. “Tomei gosto por isso e hoje passo meu dia todo aqui, envolvido na plantação, nos cuidados e na enxertia para produzir novas variedades”.

No Cerrado brasileiro existem algumas espécies de pitaya nativas, conhecida como saborosa que, embora o formato seja semelhante ao da espécie tropical, seu tamanho é menor, porém mais saborosa e mais atrativa. Com a presença da espécie nativa na propriedade, o produtor adquiriu mudas da fruta em São Paulo, Espírito Santo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Pará, e tem investido na produção de novas variedades da fruta.

“Já tenho produzidas umas dez variedades, e mais 40 em formação, que somadas dão umas 50 variedades da fruta. Plantadas, hoje já são 600 mourões, de mil, sendo três pés em cada mourão. E eu espero, quando estiver produzindo a fruta em todos os mourões, tirar aproximadamente 30 toneladas por ano da fruta para comercialização”, frisou o produtor.

Assistência técnica

Mesmo resistente ao calor, uma vez que a planta precisa de iluminação direta e pouca água para um crescimento saudável, a incidência do “sol tocantinense” tem queimado as plantas, que hoje ocupam uma área de quase um hectare. Para resolver a questão, o produtor não hesitou em procurar a assistência técnica do Instituto de Desenvolvimento Rural do Tocantins (Ruraltins), que tem apresentado alternativas viáveis para tentar diminuir a incidência sobre a planta.

“A princípio nós pensamos na instalação de sombrite, mas depois da cotação orçamentária percebemos que essa alternativa ficava cara para o produtor, que está numa fase de implantação e estruturação da propriedade”, explicou o diretor de Pesquisa e Inovação do Ruraltins, Kin Gomides.

Pensando em uma alternativa viável, tanto econômica quanto produtiva, a equipe técnica do Ruraltins e o produtor resolveram testar os cultivos de capiaçu, moringa, mandioca e amendoim como proposta para sanar a incidência direta do sol na planta.

“A gente pensou no capiaçu, que é uma planta de crescimento rápido e que pode ser manejada, cortada quando ela não for mais interessante; pensamos na moringa, que também é uma leguminosa de crescimento rápido, intenso e que tem a copada não tão densa, e que também pode ser podada e manejada, e aí ele [produtor] já pensou em outra alternativa com a moringa, que já ocorre em outros estados, que é o uso como tutor vivo, ao invés dele colocar estacas para a pitaya crescer, planta a moringa, que, ao atingir certa altura, vira um tutor para a fruta, além do que, ela sendo uma leguminosa, ainda fixa nitrogênio no solo, ajudando na parte de adubação verde. Como alternativa ainda para a redução da incidência solar também foi plantada mandioca e, outra técnica aplicada está sendo o plantio do amendoim forrageiro, que tem por finalidade cobrir e proteger o solo dos reflexos solares e ainda fixar nitrogênio”, destacou Kin.

Além das orientações para reduzir a incidência do sol na sua produção, o senhor João Gontijo vai poder contar com o acompanhamento e assistência técnica do órgão rural do Tocantins.

“Por ser uma frutífera perene, com expectativa de produção de 15 anos, é imprescindível um bom planejamento, garantindo todos os cuidados necessários para uma boa produtividade dessa fruta, vamos trabalhar junto com o produtor para que ele tenha êxito na sua atividade”, destacou o diretor.

Origem

Da família cactaceae, a pitaya é típica de regiões de clima quente e teve sua origem na América Central e no México, e atualmente ganhou notoriedade pelo seu baixo valor calórico, sendo bastante usada no preparo de geleias, sorvetes, iogurtes, compotas, tortas, doces e sucos.

No Brasil, o cultivo da fruta é bem recente, e na produção, conforme o Censo da Agropecuária (2017), os estados que se destacam são São Paulo, Santa Catarina, Minas Gerais, Pará, Rio Grande do Sul, Paraná, Rio de Janeiro, Goiás, Espírito Santo e Bahia.

No total, o país produz 1.459 toneladas da fruta em uma área total de 536 hectares.

Edição: Caroline Spricigo

Fonte: Governo TO

Comentários do Facebook
READ  Secretaria da Infraestrutura executa obras em Paraíso do Tocantins
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CIDADES

PLANTÃO POLICIAL

POLÍTICA

ECONOMIA

MAIS LIDAS DA SEMANA