Nacional

Criminosos são presos após deixarem cadeia com alvarás falsos; saiba quem são

Publicado

em


source
Grupo teria tirado pelo menos três criminosos da prisão
Wilson Dias/Agência Brasil

Grupo teria tirado pelo menos três criminosos da prisão

Uma operação da Polícia Civil, em parceria com a Secretaria estadual de Administração Penitenciária, desarticulou, nesta terça-feira, uma quadrilha especializada em libertar detentos do Rio com o uso de alvarás falsos. Entre os presos, estão duas advogadas, um inspetor penitenciário e um falso advogado, apontado como mentor do esquema. O grupo teria tirado pelo menos três criminosos da prisão.

Todos foram beneficiados pelos alvarás irregulares fabricados pelo falso advogado Arlésio Luiz Pereira Santos, sua mulher Josefa Antônio da Silva e as advogadas Débora Albernaz de Souza e Angélica Coutinho Rodrigues Malaquias Campos. Os documentos falsificados citavam ter sido emitidos pela 8ª Vara Criminal Federal do Rio. O Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2), porém, negou que os documentos tenham saído do órgão.

Nos três casos, o mesmo nome de oficial de Justiça foi usado. Um servidor que nunca existiu: José O. P. Pacassi. Ele entrava em contato com os presídios e encaminhava os documentos falsos de soltura. Os alvarás eram enviados ao presídio por um e-mail particular, que pode ser criado de graça na internet — contrariando as normas do Conselho Nacional de Justiça para o envio de documentação do gênero. Pacassi era, na verdade, Arlésio Luiz.

READ  PK Delas diz que policiais tinham que ser presos por atrapalhar sexo no carro

Saiba, abaixo, quem são os três bandidos que deixaram a cadeia graças ao esquema:

João Filipe Barbieri

Condenado a 27 anos de prisão pela Justiça por ser considerado um dos maiores traficantes de armas do mundo, João Filipe Cordeiro Barbieri, de 31 anos, enteado de Frederick Barbieri, o “Senhor das Armas”, preso nos Estados Unidos por tráfico internacional de armas e munições, saiu pela porta da frente da Penitenciária Lemos Brito, no Complexo de Gericinó, em Bangu, no dia 18 de novembro do ano passado. Segundo o Ministério Público Federal (MPF) do Rio, entre os anos de 2014 e 2017, padrasto e enteado fizeram mais de 75 importações de fuzis e munição para o Brasil.

O material era enviado ao país dentro de aquecedores e bombas d’água para piscinas. Ainda de acordo com o MPF, estima-se que nesse período os condenados enviaram ao país 1.043 fuzis com carregadores e 297 mil unidades de munição. O material era remetido de Miami para o Brasil por Frederick. Em solo brasileiro, cabia a João Filipe a distribuição do armamento para as facções que atuam no estado.

Você viu?

Frederick, João Filipe, a mulher de Frederick e outras 13 pessoas foram denunciadas pelos crimes de organização criminosa, tráfico internacional de armas de fogo, munições e acessórios de uso restrito. João Filipe é considerado foragido.

READ  "Te amo, filha": mãe que matou menina espancada se mostrava carinhosa na web

João Victor Silva Roza

Condenado pela Justiça Federal a mais de 20 anos de cadeia, João Victor Silva Roza também se valeu do documento falso para sair do Instituto Penal Vicente Piragibe, em 9 de outubro do ano passado. Roza foi condenado por tráfico internacional de armas e faz, segundo as autoridades, parte da mesma quadrilha de Frederick e João Filipe. O bandido também é considerado foragido.

Gilmara Monique de Oliveira Amorim

Condenada a 18 anos por sequestro e assalto a banco, Gilmara Monique de Oliveira Amorim foi mais uma que saiu pela porta da frente da cadeia graças a um alvará falsificado, também em novembro de 2020. Ela acabou recapturada na última quinta-feira, na Cidade Nova, no Centro do Rio. Segundo as investigações, no dia em que deixou a penitenciária, a mulher comemorou a saída em um churrasco em que estava Arlésio Luiz.

Segundo a sentença que a condenou, Gilmara integrou um grupo acusado de planejar e executar mais de dez assaltos a banco no Rio. Ela também participou de um sequestro do gerente da agência da Caixa Econômica Federal no Aeroporto do Galeão, em 2008. Na ocasião, o bancário, a esposa e a filha foram mantidos em cativeiro por um dia.

Comentários do Facebook
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CIDADES

PLANTÃO POLICIAL

POLÍTICA

ECONOMIA

MAIS LIDAS DA SEMANA