• redacao@gazetadoestado.com.br

Distrito Federal

Orientações de segurança para aulas virtuais

Publicados

em


A partir de agora, a orientação para os professores é que desabilitem a autorização para que os estudantes compartilhem na sala virtual a tela de seus computadores. Somente o professor poderá exibir conteúdos| Foto: Álvaro Henrique/SEEDF

No intuito de evitar a exibição de conteúdo impróprio às crianças durante as aulas virtuais, a Secretaria de Educação do Distrito Federal encaminhou às escolas, no início da noite desta quarta-feira (7), uma circular em que estabelece padrões de uso da plataforma Google Sala de Aula.

Na última terça-feira (6), um incidente ocorrido na sala de aula virtual do 6º ano do Centro de Ensino Fundamental 11, em Taguatinga, deixou indignados professores, pais e responsáveis pelos estudantes. “O que aconteceu é um crime e como crime será tratado. Quem fez aquilo será descoberto pela polícia e terá que responder na forma da lei”, diz o secretário Leandro Cruz.

“O que aconteceu é um crime e como crime será tratado. Quem fez aquilo será descoberto pela polícia e terá que responder na forma da lei”Leandro Cruz, secretário de Educação

A partir de agora, a orientação para os professores é que desabilitem a autorização para que os estudantes compartilhem na sala virtual a tela de seus computadores. Somente o professor poderá exibir conteúdos. O acesso rápido à aula também não será mais possível. Só entra com autorização expressa e apresentando para acesso o e-mail pessoal distribuído pela secretaria — nos formatos @edu.se.df.gov.br e @estudante.se.df.gov.br.

Há 470 mil estudantes e 72 mil profissionais da educação cadastrados na plataforma Google Sala de Aula. Desde o início do funcionamento, foram 17,5 milhões de acessos por parte de estudantes e outros 3,6 milhões de professores.

O número de postagens também foi expressivo: 11,4 milhões de estudantes e 400 mil de professores.

READ  Números da Segurança são bons, mas podem melhorar, diz Rodney Miranda

Somente nos primeiros três dias no ano letivo de 2021 a plataforma registrou 467.614 acessos, número é 185% maior que os 163.601 registros do ano passado, quando a ferramenta começou a ser usada.

As dicas contidas na circular valem para professores, estudantes e demais usuários. Confira:

SEGURANÇA NA INTERNET

→ desativar o compartilhamento de tela dos estudantes;

→ configurar a apresentação apenas para o professor;

→ desabilitar o acesso rápido (só entra com autorização do professor);

→ permitir a entrada no Meet apenas com e-mail institucional (Escola em Casa), no formato @edu.se.df.gov.br e @estudante.se.df.gov.br.

SUPORTE GOOGLE EDUCATION (https://support.google.com):

Administradores

Configurar permissões de estudantes e professores:

→ recomenda-se que apenas as unidades organizacionais que contêm professores e funcionários tenham permissão para iniciar, gravar ou transmitir reuniões.

Proteger videochamadas:

→ quando a Rede Pública de Telefonia Comutada – RPTC está ativada, qualquer pessoa com o número de discagem e o PIN da reunião pode participar da chamada; para proteção, é preciso desativar a telefonia.

Monitorar o desempenho da reunião:

→ para ver análises, incluindo os participantes, usar a ferramenta de qualidade do Meet.

Professores

Impedir que os estudantes reutilizem reuniões da turma:

→ para garantir que eles não entrem novamente em uma reunião já encerrada, usar reuniões com apelidos em vez de iniciar em um evento do Google Agenda;

→ mesmo que o apelido seja reutilizado, os participantes não podem entrar novamente em reuniões com apelido depois que o último participante sair, e o código de 10 dígitos da reunião deixar de funcionar.

READ  Iniciativa do Governo do Tocantins para segurança viária ganha destaque em site do Banco Mundial

Para criar uma reunião com apelido, use um dos seguintes métodos:

→ link curto, como g.co/meet/nickname;

→ acessar meet.google.com ou os apps Meet para dispositivos móveis e digitar o apelido da reunião no campo “Iniciar ou participar de uma reunião”;

→ usar o código do Meet gerado automaticamente pelo Google Sala de Aula.

Dúvidas

Esclarecimentos podem ser obtidos por meio do e-mail di_c@se.df.gov.br.

CEF 11

Os estudantes do 6º ano do Centro de Ensino Fundamental 11, de Taguatinga, tiveram as aulas suspensas nesta quarta-feira, 7. A decisão foi tomada para que os adolescentes, seus familiares e professores participassem de uma acolhida pela equipe da escola para acompanhamento da situação.

O corpo docente da unidade escolar também está recebendo os novos protocolos de segurança para utilização do sistema Google Sala de Aula. A rotina escolar será retomada amanhã, quinta-feira, 8.

A equipe gestora do Centro de Ensino Fundamental 11 registrou ocorrência na 17ª Delegacia de Polícia na terça-feira (6/04) e está fornecendo todas as evidências para a conclusão da investigação policial. Neste dia, uma sala de aula virtual foi invadida e ocorreu a exibição de conteúdo inapropriado.

A Secretaria de Educação está tomando as medidas cabíveis junto às autoridades para que os responsáveis sejam identificados e respondam pelo crime, conforme a legislação.

Leia a circular nº 013/2021 

*Com informações da Secretaria de Educação

Fonte: Governo DF

Comentários do Facebook
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CIDADES

PLANTÃO POLICIAL

POLÍTICA

ECONOMIA

MAIS LIDAS DA SEMANA