Goiás

UEG apresenta resultados de estudo sobre covid-19 em Quirinópolis

Publicado

em


Foram apresentados em reunião realizada na última quinta-feira, 25, entre representantes da Universidade Estadual de Goiás (UEG) e da Usina São Martinho, os resultados obtidos na pesquisa Circulação do SARS-COV-19 em Quirinópolis, GO: inquérito sorológico na comunidade.

Participaram da reunião, que foi realizada de forma on-line, o coordenador da UEG – Câmpus Sudoeste, Roberto Barcelos; o coordenador do projeto e professor de Ciências Biológicas da UEG – Câmpus Sudoeste, Dr. Lourenço Faria; o diretor da Usina São Martinho, Ivan Barcellos; além de membros da equipe técnica da área de saúde da Usina São Martinho.

O projeto contou com o apoio da Usina São Martinho e da Prefeitura Municipal de Quirinópolis. A Usina forneceu os kits de detecção de anticorpos, enquanto a prefeitura deu o apoio logístico para coleta de dados, com ampla participação dos agentes comunitários de saúde, além de enfermeiros, odontólogos e auxiliares.

O objetivo principal da pesquisa foi avaliar a dinâmica de circulação do novo coronavírus no município de Quirinópolis por intermédio da detecção de anticorpos utilizando-se kits de teste de imunocromatografia rápida. A coleta de dados ocorreu em três etapas por meio de exame sorológico e aplicação de questionário realizados em visitas a residências escolhidas por meio de sorteio a partir das características censitárias do município.

READ  Goiás registra 17 mortes por Covid-19 em 24 horas. Estado já vacinou 125.437 pessoas

Resultados

Segundo o professor Lourenço Faria, coordenador da pesquisa, foram coletadas 557 amostras em todo o município entre setembro e outubro de 2020 e o inquérito sorológico evidenciou que mais de 8% da população de Quirinópolis já teve contato com o vírus, o que corresponde a uma prevalência 2,7x maior do que a média nacional. Os resultados também demonstram que menores de 19 anos de idade apresentaram cinco vezes mais chances de contato com o vírus em comparação aos adultos (20 a 59 anos de idade), o que os torna um importante grupo no que diz respeito à disseminação viral na comunidade. 

Ainda de acordo com o professor, a maioria das pessoas infectadas pelo SARS-COV-2 apresentam sintomas como febre, alteração de paladar e alteração de olfato e os dados obtidos na cidade de Quirinópolis, juntamente com informação da literatura científica, indicam que a covid-19 seguirá sendo uma grande ameaça para a sociedade em decorrência dos seguintes fatores: a perspectiva de vacinação em massa ainda está longe, a soroprevalência é elevada no município, a doença permanece como pandemia em vigência – há um aumento do número de casos nas últimas semanas – e ainda não existe tratamento específico preventivo para atenuar os danos da doença.

READ  Tocantins apresenta redução de óbitos entre idosos vacinados contra a Covid-19

O professor Lourenço afirma que a informação científica, inclusive os dados obtidos no município de Quirinópolis – o que raramente acontece em cidades de pequeno porte e longe de grandes centros de pesquisa – são fundamentais para nortear decisões. “Mas sem a colaboração e efetiva participação da população para combater esta pandemia, essas informações e os esforços do poder público não têm nenhuma efetividade”, completa. 

 Fonte: UEG-GO 

Fonte: Governo GO

Comentários do Facebook
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CIDADES

PLANTÃO POLICIAL

POLÍTICA

ECONOMIA

MAIS LIDAS DA SEMANA